OS RISCOS DO AÇUCAR

Alguns motivos baseados em estudos científicos para você diminuir o consumo açúcar:

# O Açúcar não é alimento, possui baixo valor nutricional e destrói vitaminas para ser processado.

# Não é um “alimento“ essencial para o ser humano (são apenas 8 aminoácidos e 2 ácidos graxos que nosso corpo não é capaz de produzir).

# Gera uma resposta inflamatória silenciosa no organismo (devido a glicação excessiva ativando NF-KB).

# Aumenta a Insulina em níveis supra fisiológicos gerando inibição do hormônio do crescimento diminuindo a ação do sistema imune.

# Acelera o envelhecimento (devido ao aumento da relação CO2/O2 mitocondrial).

# Causa euforia excessiva, compulsão e sensação de bem estar semelhante a cocaína.

# Nos deixa com humor alterado devido ao súbito aumento de insulina e adrenalina na corrente sangüínea.

# Causa disfunção multiorgânica no pâncreas, rins, endotélio dos vasos e coração.

# Estima-se que 1/3 da população com mais de 20 anos nos EUA seja pré-diabética e esse grupo possui um risco muito maior para o desenvolvimento da Diabetes. Para se avaliar a gravidade dessa situação, estudos mostram que ser pré-diabético aumenta o risco do desenvolvimento de câncer endometrial, fígado, estômago e do cólon. O pior é que apenas 10% dos pré-diabéticos sabem que possuem essa condição, por isso, faz-se importante a avaliação de rotina com um médico.

# Existe uma grande preocupação com a gordura e o aumento de doenças cardiovasculares. Sim, é verdade que o aumento da obesidade representa grande fator de risco para o infarto agudo do miocárdio e o acidente vascular cerebral. No entanto, estudos mostram que o excesso de AÇÚCAR esta diretamente relacionado com aumento de morte por doenças cardiovasculares.

Nossos artigos tem caráter meramente informativo e não devem ser utilizados para realizar autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Consulte sempre seu médico.

PREVENÇÃO DO CÁLCULO RENAL

Como você pode prevenir pedras nos rins?

  • Beba mais líquidos:

Beber cerca de 2 a 3 litros de líquido por dia ajuda a manter a urina diluída – o que reduz a concentração de minerais evitando a formação de cristais precursores da pedra nos rins. Pelo menos metade do líquido deve ser de água; os outros líquidos podem ser outras bebidas que você gosta. (procure evitar sucos artificiais e refrigerantes carbonatados como Coca- cola e Pepsi)

  • Ingesta de frutas cítricas:

 A ingesta regular de frutas ou suco de frutas cítricas (limão, laranja e abacaxi) aumenta a presença de citrato na urina. O citrato é um fator protetor para pacientes com predisposição à formação de pedras de oxalato de cálcio.

  • Reduzir a quantidade de sal que ingere:

 Reduzir o sal (sódio) na dieta contribui para reduzir a quantidade de cálcio na urina, o que por sua vez reduz a tendência para a formação de pedras de cálcio. Redução do sal na alimentação é melhor realizado por não adicionar sal à sua comida e evitando os alimentos alto teor de sódio, como carnes processadas, alimentos de conveniência salgados, sopas em caixas/enlatados, salgadinhos ou macarrão, pães ou arroz em excesso.

  • Certifique-se de sua dieta contém quantidades adequadas de cálcio:

Vários anos atrás, acreditava-se que o cálcio da dieta deveria ser restrito em pacientes com pedras nos rins. Estudos atuais mostram que a inclusão de, pelo menos, duas porções de alimentos com alto teor de cálcio por dia na dieta reduzem efetivamente a taxa de formação de pedras nos rins contendo cálcio.

  • Evite os alimentos que podem aumentar a quantidade de oxalato ou ácido úrico na urina:

 Os seguintes alimentos devem ser evitados: chocolate, anchovas, ruibarbo, caviar, verdes, arenque, vieiras, amendoim, mexilhões, aspargos, miúdos (fígado , rins, cérebros), chá preto, carne e caldo de carne.

  • Medicamentos:

 Estes só devem ser prescritos pelo seu médico após a causa de suas pedras nos rins seja determinada.

# A hidroclorotiazida, um diurético que é muito eficaz na redução de cálcio na urina e prevenção de cálculos renais.

# O bicarbonato de sódio e o citrato de potássio administrado por via oral e faz com que a urina fique menos ácida. Por sua vez, isso reduz a quantidade de ácido úrico e cistina na urina.

# Captopril: Esta droga é útil na redução da excreção de cistina em pacientes que têm isso como o motivo de suas pedras nos rins.

# Antibióticos: Naqueles pacientes que têm pedras de estruvita (infecção), prevenir ou controlar a infecção urinária é obrigatória para prevenir a recorrência de pedras.

# Alopurinol: Está droga reduz a quantidade de ácido úrico no sangue e por consequência diminui a possibilidade de formação de pedra de acido úrico nos rins.

A prevenção de pedra nos rins é fundamental para evitar danos cumulativos ao rim.

Este artigo tem caráter meramente informativo e não deve ser utilizado para realizar autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Consulte sempre seu médico.

HIPERTENSÃO ARTERIAL E PERFORMANCE

Uma das principais dúvidas dos atletas hipertensos é se o tratamento da pressão irá reduzir a sua performance física.

Um estudo realizado em atletas com pressão arterial considerada normal (< 120/80), normal-alta (120 a 140/80 a 90) e alta (>140/90), demonstrou que a capacidade cardiopulmonar (VO2) reduz a medida que há um aumento da pressão arterial, sendo respectivamente de 53,2; 48 e 45 ml/kg/min. Então, na verdade, o tratamento da hipertensão irá melhorar a sua performance atlética.

O atleta deve procurar tratamento adequado, pois dependendo da medicação utilizada (ex: diuréticos e beta-bloqueadores), realmente poderá ocorrer uma redução do desempenho e o atleta pode inocentemente cair no dopping.

A pressão alta não é uma contraindicação absoluta ao exercício físico e requer sim, tratamento adequado.

Nossos artigos tem caráter meramente informativo e não devem ser utilizados para realizar autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Consulte sempre seu médico.

O QUE É CÂNCER?

Câncer é o nome genérico para um grupo de mais de 200 doenças. Embora existam muitos tipos de câncer, todos começam devido ao crescimento anormal e fora de controle das células. É também conhecido como neoplasia. A ciência que estuda o câncer se denomina Oncologia e é o oncologista o profissional que trata a doença.  Os cânceres que não são tratados podem causar doenças graves e morte.

         O corpo é composto de trilhões de células vivas. Essas células normais do corpo crescem, se dividem e morrem de forma ordenada. Durante os primeiros anos de vida de uma pessoa, as células normais se dividem mais rapidamente para permitir que a pessoa se desenvolva. Depois, na fase adulta, a maioria das células se divide apenas para substituir células desgastadas ou células que morrem ou para reparar danos.

         O câncer se inicia quando as células de algum órgão ou tecido do corpo começam a crescer fora de controle. Esse crescimento é diferente do crescimento celular normal. Em vez de morrer, as células cancerosas continuam crescendo e formando novas células anômalas. As células cancerosas também podem invadir outros tecidos, algo que as células normais não fazem. O crescimento fora de controle e invadindo outros tecidos é o que torna uma célula em cancerosa.

          Na maioria dos casos, as células cancerígenas formam um tumor. No entanto alguns cânceres, como no caso da leucemia, raramente formam tumores. Em vez disso, estas células cancerosas acometem o sangue e órgãos hematopoiéticos e circulam por tecidos onde elas se desenvolvem.

         As células cancerosas costumam se espalhar para outras partes do corpo onde elas começam a crescer e formar novos tumores. Isso acontece quando as células cancerosas entram na corrente sanguínea ou nos vasos linfáticos do corpo. Ao longo do tempo, os tumores irão substituir o tecido normal. Esse processo de disseminação do câncer é denominado metástase.

          Independente do local para onde a doença de espalhou, o tipo de câncer leva o nome do local onde se originou. Por exemplo, o câncer de mama que se disseminou para o fígado é denominado câncer de mama metastático, e não câncer de fígado. Da mesma forma, o câncer de próstata que se espalhou para os ossos é chamado de câncer de próstata metastático, e não tumor ósseo.

           Diferentes tipos de câncer podem se comportar de formas distintas. Por exemplo, o câncer de pulmão e o câncer de pele são doenças muito diferentes, que se desenvolvem de formas diferentes e respondem a distintos  tipos de tratamentos. Por essa razão os pacientes com câncer precisam receber o tratamento adequado para seu tipo de câncer.

           Os tipos de câncer podem ser agrupados em categorias mais amplas. As principais categorias de câncer incluem:

•Carcinoma – Câncer que começa na pele ou nos tecidos que revestem ou cobrem os órgãos internos. Existe um número de subtipos de carcinoma, incluindo adenocarcinoma, carcinoma de células basais, carcinoma de células escamosas e carcinoma de células de transição.

•Sarcoma – Câncer que começa no osso, cartilagem, gordura, músculo, vasos sanguíneos ou outro tecido conjuntivo ou de suporte.

•Leucemia – Câncer que começa no tecido produtor de sangue, como a medula óssea, e provoca um grande número de células anormais do sangue produzidas e entrando no sangue.

•Linfoma e Mieloma – Cânceres que começam nas células do sistema imunológico.

•Cânceres do Sistema Nervoso Central – Cânceres que começam nos tecidos do cérebro e da medula espinhal.

             Nem todos os tumores são câncer. Os tumores que não são cancerosos são denominados benignos. Os tumores benignos podem causar problemas, como crescerem em demasia e pressionarem outros órgãos e tecidos saudáveis. Mas eles não podem invadir outros tecidos e órgãos. Dessa forma, eles não podem se espalhar para outras partes do corpo (metástase).

             Um tumor benigno que usualmente pode ser removido e que na maioria dos casos não volta a aparecer, não se espalha pelo corpo e não ameaça a vida do paciente.

              Atualmente muitos pacientes são tratados com sucesso sobre tudo quando a doença é diagnosticada precocemente. Metade do total de homens e um terço do total de mulheres irão desenvolver Câncer em algum momento de suas vidas. Hoje, milhões de pessoas estão vivendo com câncer ou tiveram câncer. O risco de desenvolver vários tipos de neoplasias pode ser reduzido com mudanças no estilo de vida de uma pessoa, por exemplo, não fumar, limitar o tempo de exposição ao sol, ser fisicamente ativo e manter uma alimentação saudável.

               Por outro lado, existem os exames de rastreamento que podem ser realizados para alguns tipos de câncer, para que possa ser realizado o diagnóstico precoce da doença, quando as chances de cura são melhores do que quando é diagnosticada em estágios mais avançados.

Nossos artigos tem caráter meramente informativo e não devem ser utilizados para realizar autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Consulte sempre seu médico.

SAÚDE DENTÁRIA E DOENÇA CARDÍACA

A saúde bucal é vital para a saúde geral. Mais de 80% da população norte-americana, por exemplo, vivem com problema periodontal ou gengival que muitas vezes não é diagnosticado. Isso se deve ao fato de o paciente não ir ao dentista porque os dentes aparentemente estão bem, e as consultas médicas raramente se concentram na saúde bucal.

Há evidências de dois fatores específicos entre saúde bucal e doença cardíaca. Primeiro, estudos recentes mostram que se você possui doença periodontal em estágio moderado, você corre mais riscos do que alguém que possua gengiva saudável. Segundo, a saúde bucal fornece sinais de advertência aos médicos para uma gama de problemas e doenças, incluindo doença cardíaca.

A saúde bucal e a doença cardíaca estão conectadas pela disseminação de bactérias – e outros germes – a partir de sua boca para outras partes do seu corpo através da corrente sanguínea. Quando essas bactérias alcançam o coração elas se aderem a qualquer área lesionada e causam inflamação. Isto pode resultar em doença como a endocardite; uma infecção do revestimento interno do coração. Outros problemas cardiovasculares como a aterosclerose (artérias entupidas) e AVC (Acidente Vascular Cerebral) também estão ligados a inflamações provocadas por bactérias bucais, de acordo com o American Heart Association, associação cardíaca dos Estados Unidos.

Pacientes com problemas crônicos como gengivite ou doença periodontal avançada têm maior risco de desenvolver doença cardíaca causada por saúde bucal precária, principalmente se ela não for diagnosticada e não for tratada. As bactérias associadas com a periodontite estão na boca e podem entrar na corrente sanguínea onde se fixam aos vasos sanguíneos e aumentam o risco de doença cardiovascular. Mesmo que você não tenha inflamação aparente na gengiva, a higiene bucal inadequada e a placa acumulada podem resultar em doença periodontal. A bactéria também pode migrar para a corrente sanguínea aumentando o nível de proteína C reativa, que é indicadora de inflamação dos vasos sanguíneos. Isto pode aumentar o risco de doença cardíaca e AVC.

De acordo com a American Association of Periodontology (AAP) (Associação Americana de Periodontologia), você pode ter doença periodontal, mesmo em seus estágios iniciais, se:

Sua gengiva está vermelhas, inchadas ou doloridas ao toque.

Sua gengiva sangra quando você come, escova ou usa o fio dental.

Você vir pus ou outros sinais de infecção em volta da gengiva e dos dentes.

Sua gengiva parecer estar se afastando dos dentes.

Você tiver mau hálito frequentemente ou notar um gosto ruim na boca.

Algum dente estiver mole ou se você notar que ele está se afastando dos outros dentes.

Uma boa higiene bucal e exames regulares são a melhor maneira de proteção contra o desenvolvimento da doença periodontal. Recomenda-se escovar os dentes três vezes por dia com escova de cerdas macias e cabeça pequena (compacta) para que alcance todas as superfícies dentárias adequadamente. Você também deve usar o fio dental diariamente e ir ao dentista para fazer limpezas regulares.

Ao ter uma postura proativa em relação a sua saúde bucal, você pode se proteger da doença cardíaca relacionada à saúde bucal e manter seu sorriso saudável, limpo e bonito por toda a sua vida.

Nossos artigos tem caráter meramente informativo e não devem ser utilizados para realizar autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Consulte sempre seu médico.